sábado, 14 de abril de 2012

TANGENCIAIS (AXIAL OU NASCENTE): PATELA

BÁSICAS 
PA
Lateral
Tangencial


Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 24 x 30 cm (10 x 12 polegadas) ou 18 x 24 cm (8 x 10 polegadas),
Em sentido transversal
Écran de detalhes, ponto focal pequeno
Faixa de 65 :!: 5 kVp


1. Incidência ínfero-superior
Realizar a radiografia com o paciente em decúbito dorsal, pernas unidas com apoio sob os joelhos de tamanho suficiente para proporcionar uma flexão de 40 a 45° (pernas relaxadas).
Certificar-se da ausência de rotação das pernas.
Colocar o chassi com a borda repousando na porção média das coxas, inclina do de modo a se posicionar perpendicularmente ao Rc. Usar sacos de areia e fita adesiva, como mostrado na Fig. 6.133, ou outros métodos para estabilizar o chassi nessa posição. Não se recomenda que o paciente seja solicitado a sentar-se e a manter o chassi no lugar porque essa orientação pode posicionar as regiões da cabeça e pescoço do paciente no trajeto do feixe de raios X.


Raio Central
Direcionar o RC infra-superiormente, em um angulo de 10 a 15° das pernas,
para se posicionar tangencialmente à articulação patelofemoral. Palpar as
bordas da patela para determinar o ângulo específico do RC que passa
através do espaço articular infrapatelar.
DFoFi de 40 a 48 polegadas (100 a 120 cm).
Observação 1: A principal vantagem desse método é a de não requerer
equipamento especial e de ser uma posição relativamente confortável para
o paciente. Por conseguinte, o relaxamento total é alcançado com uma flexão
do joelho a 4045°, se o suporte de tamanho apropriado for usado sob os
joelhos. A única desvantagem está em segurar ou apoiar o chassi nessa
posição, se o paciente não puder cooperar inteiramente.


2. Método de Hughston* (pode ser feito bilateralmente em um único chassi)
Realizar a radiografia com o paciente em decúbito ventral, o chassi colocado
sob o joelho; flexionar lentamente o Joelho a 45° (ver Observação 3, abaixo)
manter o pé do paciente seguro com atadura ou repousar o pé contra o colimador
ou outro tipo de suporte; colocar almofada entre o pé e o colimador, se este
estiver quente.


Raio Central
Alinhar o RC aproximadamente 15 a 20° a partir do eixo longitudinal da perna
(tangencial à articulação patelofemoral).
Direcionar o RC para a porção média da articulação patelofemoral.
DFoFi mínima de 40 polegadas (100 cm).
Observação 2: Essa é uma posição relativamente confortável para o paciente,
e o relaxamento do quadríceps da coxa pode ser obtido. As principais desvantagens
são a distorção da imagem causada pelo alinhamento filme-parte do corpo-feixe
e a dificuldade de um menor ângulo de flexão devido ao equipamento moderno
e aos grandes colimadores.
Observação 3: Alguns autores sugerem menor flexão de apenas 20° para evitar
que a patela seja tracionada para dentro do sulco patelofemoral, que pode
impedir a detecção de anormalidades sutis no alinhamento.


3. Método de Settegast
Advertência: Essa flexão aguda do joelho não deve ser tentada até que
tenha se descartado fratura da patela através de outras incidências.
*Hughston AC: Subluxation of lhe patella, Bane iaint Surg-SO-A: 1003-
1026, 1968. tManaster BJ: Handbooks in radiology, Skeletal Rodia/, St.
Louis, 1989, Year Book Pub.
Realizar a radiografia com o paciente em decúbito ventral, com o chassi
sob o joelho; flexione lentamente o joelho a um ângulo mínimo de 90°; solicitar
aopaciente que mantenha esta posição segurando uma atadura ou fita
adesiva para manter a posição. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário