domingo, 15 de abril de 2012

AP - (QUADRIL BILATERAL): PELVE




PELVE 
BÁSICA
AP


Fatores Técnicos
Tamanho do filme - 35 x 43 cm (14 x 17 polegadas), em sentido transversal
Grade móvel ou estacionária
Limite de 80 +/- 5 kVp ou limite de 90 +/- 5 kVp
Técnica e dose a 80 kVp: ou
Para doses mais baixas recebidas pelas gônadas a 90 kVp:


Posição do Paciente: Com o paciente em decúbito dorsal, os braços
ao lado do corpo ou cruzados sobre o tórax; forneça um travesseiro
para a cabeça e um suporte sob os joelhos.


Posição da Parte
Alinhe o plano mediossagital do paciente à linha central da mesa e ao RC .
Assegure-se de que a pelve não está rodada; à distância do tampo da mesa
até cada ElAS deve ser igual.
Separe pernas e pés, então rode internamente os eixos longitudinais dos pés
e membros inferiores em 15° a 20° (ver Advertência anterior). O radiologista
ou o técnico pode precisar colocar bolsas de areia entre os calcanhares e unir
a parte superior dos pés com fita ou usar bolsas de areia adicionais para que
os pés permaneçam nessa posição.


Raio Central
O RC é perpendicular ao filme, direcionado ao ponto médio entre o nível
da ElAS e a sínfise púbica. Esse ponto está à 2 polegadas (5
cm) abaixo do nível da ElAS (ver Observação).
Centralize o chassi no RC
DFoFi mínima de 40 polegadas (100 cm).
Respiração: Prender a respiração durante a exposição.
Observação: Se realizada como parte da rotina de quadril, a centralização
deve ser cerca de 2 polegadas (5 cm) abaixo para incluir a parte maior da
porção proximal do fêmur.


Critérios Radiográficos
Estruturas Mostradas: Cintura pélvica, LS, sacro e cóccix,
cabeças, colo femorais e trocanteres maiores são visíveis.


Um comentário: